01/11/2013

Túmulo





café em punho, larga escolta
de lençóis usados
em tempo
amanhã é terça mas
parece um túmulo
na loucura de gritar
vai
pega a tua espada
e me parte
em duas
ao partir
não vou sofrer
vou fazer um miojo
de galinha
e acabar com o
chardonnay
como se não fosse segunda
e os mares não me lembrassem
que existem há séculos
e que o partir é portanto
um ponto necessário
para o andamento
das frases
vai
eu não temo
os túmulos
eu não temo
os miojos
no silêncio das coisas
serei mais fodida que
nos sete anos teus
se o assassino em mim
é o assassino em você
a porta que bate
é no teu rosto que explode
e no meu corpo ainda se vê
um pé
entrando
sereno pelo
elevador