27/09/2013

Eu não choro

























houve um dia em mim
o nascimento de uma pequena mariposa
entre a terceira e a quarta vértebras
quase chegando ao coração.
era marrom cor de lama e fazia
um grunhido de inseto que me
ofendia os ouvidos opacos
de gente. bastava um respirar
que a mariposa rebolava
as asas fraquinhas duas ou
três vezes e só, depois
parava,
adormecendo.
mas assim como a imagem
das janelas se vê entrevada
pela presença das mariposas,
também o meu peito ficou sem ter
para onde ir.
por isso arremessei-lhe um
chinelo e não nos vemos
desde então.